Algumas plantas medicinais curiosas


Existem milhares de plantas medicinais com inúmeros benefícios. Conheça algumas que são um tanto quanto curiosas e desfrute do bem estar que elas podem nos trazer, mas sempre lembrando que nenhuma delas substitui tratamentos médicos. Procure sempre orientação de um terapeuta especializado.


1 - ALCACHOFRA (Cynara scolymus):
Indicada popularmente contra psoríase, doenças das vias biliares e hepáticas, diabetes, icterícia, eczemas, erupções cutâneas, anemia, escorbuto, raquitismo, colesterol, hemorróidas, prostatite, uretrite, bronquite asmática, debilidade cardíaca, hepatite, colecistite. Possui substâncias com efeitos benéficos para as vias biliares e hepáticas. Possui como princípios ativos a cinarina e o ácido cafeico que estimulam a formação da bile hepática, regularizam a formação de sais biliares e o colesterol. Seu uso é indicado para os diabéticos. Ótimo diurético, ajuda a eliminar o ácido úrico e o reumatismo. Evitar na lactação.As folhas ajudam a reduzir a taxa de açúcar no sangue e são usadas como coadjuvantes no tratamento da diabetes. Tem efeito antiesclerótico, ou seja, auxilia a evitar o endurecimento das artérias. O suco fresco é utilizado externamente para tratar eczemas e erupções cutâneas. O consumo da alcachofra é excelente para quem sofre de anemia, pois é uma fonte muito rica em ferro. Por ter ação digestiva, auxilia também na prisão de ventre. Combate o escorbuto e o raquitismo pelo conteúdo de suas vitaminas.




       

2 - ALCAÇUZ (Glycyrrhiza glabra): Na medicina popular é indicado para alivar tosse,
combater úlceras, como laxante e expectorante. Usado também nas conjuntivites, desordens do fígado, desequilíbrios hormonais e problemas da garganta. O uso medicinal do alcaçuz é datado dos povos antigos do Egito, relatado em seus papiros. A complicada composição química do alcaçuz dá a ele um largo espectro de propriedades. Centenas de estudos já comprovaram sua ação no tratamento de doenças do fígado, supra-renais, desequilíbrios hormonais e úlceras pépticas. Na China, onde é uma das ervas mais utilizadas, é indicado para o baço, rins e proteger o fígado de doenças. No Japão um preparado de alcaçuz é utilizado para tratar a hepatite. Muitos estudos comparam sua ação com a hidrocortisona, mas sem seus efeitos colaterais. Como a cortisona, teria o efeito de diminuir as inflamações e aliviar sintomas de artrite e alergias, daí seu efeito anti-histamínico. A raiz possui glicirrizina (cinqüenta vezes mais doce que a sacarose), que favorece a formação de hormônio como a hidrocortisona. Mulheres com ciclos menstruais irregulares costumam usar alcaçuz para normalizar seus ciclos, pelo equilíbrio hormonal. O alcaçuz é ligeiramente laxante.




3 - BORRAGEM (Borago officinalis):

Planta medicinal e alimentícia que tem o aroma do pepino, por isso se torna uma salada muito nutritiva. Possui vitamina C e alcalóides. Considerada antiinflamatória, expectorante, adstringente e altamente diurética. Na medicina popular é indicada em casos de inflamações de bexiga e pedras nos rins ou bexiga, para auxiliar na eliminação de toxinas e melhoria da pele. Flores, folhas e caules apresentam as mesmas propriedades. A Borragem pertence à Família das Boragináceas, é uma planta originária da zona Mediterrânea da Europa e da Ásia menor. O óleo de borragem é um óleo vegetal extraído desta planta e assim como o óleo de Prímula (Oenothera Biennis) constitui-se numa ótima fonte de Ácido Gamalinolênico (GLA) pois possui na sua composição ácidos graxos poliinsaturados. Por ser um ácido graxo essencial, o GLA deve ser necessariamente obtido da alimentação, pois o organismo não é capaz de produzi-lo. A deficiência de ácidos graxos essenciais, nos seres humanos, resulta em condições anormais da pele, tais como dermatites, escamações e ressecamentos; redução na regeneração dos tecidos e aumento da suscetibilidade a infecções. O óleo das sementes da Borragem, rico em Ácido Gamalinolênico (GLA), vem sendo usado com sucesso por mulheres que sofrem de tensão pré-menstrual (TPM) e com os sintomas da menopausa.




4 - CARDAMOMO (Elettaria subulatu; cardamomum):

Tem efeito digestivo, anti-séptico, diurético, laxante e expectorante. Usada popularmente para eliminar a H. pylori, a bactéria associada a úlceras. No Oriente, ganhou a fama de ser afrodisíaco. A semente dessa planta da família do gengibre, de folhas grandes e flores brancas, era mascada pelos egípcios para refrescar o hálito e limpar os dentes. Especiaria aromática de sabor adocicado, refrescante e picante, o cardamomo vem de uma planta de 1,50 metro de altura originária de Malabar, no sudoeste da Índia. Ele chegou à Europa por meio das rotas de exploração do Oriente e era cultivado nos mosteiros durante a Idade Média. Suas sementes eram usadas na fabricação de uma massa doce que os monges mascavam como chiclete. Os frutos do cardamomo contêm cápsulas alongadas ou redondas que protegem cerca de 20 sementes. É uma das especiarias mais caras, depois do açafrão e da baunilha, e amplamente utilizada nas cozinhas indiana, árabe e chinesa. Os melhores frutos são os provenientes da Índia e da Guatemala.                                                      5 - ERVA BALEEIRA (Cordia verbanacea):

Indígenas brasileiros utilizavam esta planta como um poderoso antiinflamatório. Ainda hoje, a medicina popular se rende aos poderes da erva-baleeira, especialmente nas comunidades litorâneas, onde ela é usada na forma de pomada, extrato ou folhas maceradas para curar ferimentos provocados por acidentes com peixes nas pescarias. Especula-se, inclusive, que o nome "baleeira" seja inspirado justamente nesta associação com o uso da planta por pescadores e por ser abundante nas regiões litorâneas. Seu uso popular é largo e variado: é usada contra artrite, reumatismo, artrose, contusões e em todo tipo de inflamação, inclusive na forma de bochechos para aliviar dores de dente e tratar inflamações bucais. Além disso, é indicada contra úlceras. Seus poderes como cicatrizante e antiinflamatória é que fizeram a fama desta planta. Em algumas regiões, as folhas da erva-baleeira são cozidas e aplicadas sobre feridas para acelerar a cicatrização.




6 - HIBISCO (Hibiscus sabdariffa):

Flor avermelhada, com sabor agradável e azedinho, semelhante ao morango, tem efeito laxante suave, melhora a digestão, aumenta a diurese e acalma os nervos. O hibisco tem sido utilizado nos regimes de emagrecimentos como auxiliar nos tratamentos de obesidade. Na medicina popular é usado como anti-espasmódico, anti-inflamatório, redutor da hipertensão, antioxidante natural, afrodisíaco, diurético, laxante suave e auxiliar nas dietas de emagrecimento. Também há indicações de seu uso popular para combater problemas respiratórios, bronquites, gripes e resfriados, gastrite e afecções da pele. O chá obtido a partir do cálice da flor contém polissacarídeos em boas quantidades, além de conter também concentrações elevadas de flavonóides - reconhecidos como protetores contra os radicais livres. Rico em cálcio, magnésio e ferro e nas vitaminas A e C, o hibiscus contém também fitoquímicos, altos teores de antocianinas, ácido tartárico, málico, cítrico e hibístico, fitosteróis, além de quantidade significativa de fibras alimentares. Como emagrecedor, o chá de hibiscus ajuda a estimular o metabolismo e a reduzir o colesterol ruim. Além disso, auxilia na redução das taxas de lipídios e glicose totais no sangue, colaborando na prevenção do desenvolvimento do diabetes tipo 2. A ação diurética do hibiscus é também útil no combate à retenção de líquidos e à celulite.