Psoríase - doença auto-imune...

O que é:

www.harmoniaesaude.org
psoriase

A psoríase nada mais é do que uma doença de pele, sendo que ela acaba por não afetar especificamente o nosso organismo, ou seja, ela age apenas em função da nossa pele, causando em sua maioria das vezes problemas mais estéticos do que qualquer outro.


Os sintomas que acabam por ser considerados como comuns a serem apresentados por pessoas que possuem a psoríase, é com relação a vermelhidão da pele, assim como também coceira e até mesmo a descamação da pele, sendo que as áreas mais comuns a serem atingidas seriam os braços, pernas e também o couro cabeludo.

Quem pode ter:

O que acontece, é que a psoríase é considerada como uma doença de cunho genético, ou seja, é necessário que o paciente apresente uma pré disposição genética para apresentar os sintomas, assim como também há pessoas que podem nunca ter tido os sintomas manifestados, mas que também possuem a doença e não tomam conhecimento disto.
Sendo assim, podemos verificar que pessoas de todas as idades podem ter a psoríase, o que acaba por diferenciar realmente, seria o estágio de vida no qual ela acaba por se manifestar. Sendo que os principais motivos para que os sintomas sejam apresentados, podem estar relacionados a fatores emocionais e psicológicos, ou seja, pessoas estressadas, deprimidas, entre tantos outros sentimentos que possam vir a apresentar. Já com relação ao tratamento, este poderá não ser necessário na maioria das vezes, ou seja, da mesma forma que os sintomas podem surgir, eles podem desaparecer também. 
www.harmoniaesaude.org

 Tipos de manifestação:

A psoríase pode se manifestar de diversas formas:



Psoríase Vulgar - é a manifestação mais comum representando em torno de 80 a 90% dos casos. Lesões de tamanhos variados, delimitadas e avermelhadas, com escamas secas, aderentes, prateadas ou acinzentadas que surgem no couro cabeludo, joelhos e cotovelos;


Psoríase palmar e plantar - As lesões aparecem como fissuras nas palmas das mãos e nas "plantas" (solas) dos pés.

Psoríase gutata ou em gotas - é caracterizado por numerosos pequenos pontos redondos parecidos com gotas (diagnóstico diferencial pitiríase rosea-lesão forma-oval). Estas numerosas "gotas" de psoríase aparecem em grandes áreas do corpo, tais como o tronco, membros e couro cabeludo. A psoríase gutata pode estar associada à infecção estreptocócica da garganta.

Psoríase pustulosa - Aparece como lesões não-infecciosas com pus (pústulas). A pele debaixo e em torno das pústulas fica vermelha e macia. Psoríase pustulosa pode ser localizada, geralmente para as mãos e pés (pustulose palmoplantar), ou generalizada com manchas espalhadas por qualquer partes do corpo.

Psoríase flexural ou psoríase inversa - aparece como manchas lisas inflamadas de pele. Ela ocorre em dobras da pele, especialmente em torno dos genitais (entre a coxa ea virilha), nas axilas, entre os "pneuzinhos" (excesso de gordura abdominal), e embaixo das mamas (pregas inframamárias). É agravado pelo atrito e suor, e é vulnerável a infecções fúngicas.

Psoríase artropática - envolve a inflamação do tecido articular e conjuntivo. Artrite psoriática pode afetar qualquer articulação, mas é mais comum nas articulações dos dedos das mãos e dos pés. Isso pode resultar em um inchaço em forma de salsicha dos dedos das mãos e dos pés conhecida como dactilite. Artrite psoriática também pode afetar os quadris, joelhos e coluna (espondilite). Cerca de 5 a 40% das pessoas que têm psoríase sofrem sério comprometimento articular. Surge de repente com dor nas pontas dos dedos das mãos e dos pés ou nas grandes articulações como a do joelho.

Psoríase eritrodérmica - envolve a inflamação generalizada e esfoliação da pele sobre a maior parte da superfície do corpo. Pode ser acompanhada de coceira, inchaço e dor. Muitas vezes, é o resultado de uma exacerbação da psoríase em placas instáveis, especialmente após a retirada abrupta do tratamento sistêmico. Esta forma de psoríase pode ser fatal, como a inflamação extrema e esfoliação interromper a habilidade do corpo para regular a temperatura e para a pele para realizar funções de barreira.

Psoríase Ungueal - Ocorre em cerca de 70-80% dos pacientes e produz uma variedade de mudanças na aparência de unhas e pés. Estas alterações incluem descoloração (amarelamento), linhas cruzando as unhas e espessamento da pele abaixo da unha que leva a quebra e afrouxamento (onicólise) das unhas.

Existem ainda outras formas mais raras de psoríase como na córnea, orelha ou nariz. É comum múltiplas formas de manifestações simultâneas no mesmo paciente.


Recomendações:

Embora seja uma doença que não tem cura, existem medidas que podem evitar as recaídas:

* Banho diário com água morna e sabonetes suaves: Deve-se evitar o uso de água muito quente e sabonetes agressivos, pois podem ressecar a pele e piorar a inflamação. Sabonetes de cores neutras, sem perfume e sem antibacterianos são mais indicados.

* Não esfregar a pele e utilizar roupa de algodão folgada: Deve-se evitar o uso de esponjas, toalhas ou outros utensílios durante o banho para friccionar a pele, pois acabam ressecando a superfície cutânea. Deve-se lembrar que o trauma pode produzir novas lesões de psoríase, bem como facilitar a penetração de microrganismos na pele. Deve-se utilizar roupas 100% de algodão, folgadas, para evitar a fricção com a pele. Elas devem ser lavadas com detergente suave, sem perfume.
A exposição moderada ao sol é considerada benéfica.
Hidratantes e protetor solar ajudam a prevenir novas lesões. Devem ser utilizados cremes hidratantes sem perfume em todo o corpo, logo após o banho e várias outras vezes ao dia.

*Evitar a automedicação ou o uso de remédios caseiros: Existem vários tratamentos disponíveis para psoríase e muitos deles precisam de acompanhamento médico, por isso, a automedicação deve ser evitada. Os remédios caseiros podem não ser seguros ou até interferir no tratamento prescrito pelo seu médico. * Evitar o sobrepeso: O tipo de alimentação não interfere na evolução da psoríase, mas deve-se lembrar que esta doença pode estar associada a problemas como aumento nas taxas de glicose no sangue, aumento nos níveis de colesterol e triglicérides, que aumentam o risco de problemas cardíacos. Assim, deves-se adotar uma dieta rica em fibras e líquidos, evitando alimentos gordurosos, carnes vermelhas e alimentos ricos em carboidratos (macarrão, pão, farinha branca e açúcar).

Drogas em geral, como o tabaco, o álcool, drogas injetáveis, betabloqueadores (anti-hipertensivos), antimaláricos e alguns antiinflamatórios e certos analgésicos devem ser evitadas.

O estresse, na grande maioria dos pacientes, pode desencadear ou agravar a evolução da doença. Psicoterapia é frequentemente recomendada.

Deve-se evitar variações climáticas bruscas e informar sempre sua doença e que remédios utiliza quando em consulta médica ou odontológica para que cuidados sejam tomados pelo profissional.

Vários tipos de alívios temporários estão disponíveis e sua eficácia varia dependendo do caso. A psoríase não tem um curso previsível, cada caso tem o seu próprio curso. É uma doença crônica, para toda a vida e o paciente deve aprender a conviver adequadamente com a doença, controlando-a de forma a levar sua vida normalmente.

LEMBRE-SE SEMPRE: PROCURE UM MÉDICO PARA QUALQUER TIPO DE SINTOMA




FONTES:
Autor: Sayuri Matsuo IN :: http://www.artigonal.com/saude-artigos/quem-pode-ter-psoriase-6928639.html
Arruda, Lúcia Helena Fávaro; Campbell, Gladys A. M; Takahashi, Maria Denise F. Psoríase/Psoriasis. An. bras. dermatol;76(2):141-167, mar.-abr. 2001.
CARNEIRO, Sueli Coelho da Silva. Psoríase : mecanismos de doença e implicações terapêuticas [online]. São Paulo : Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, 2007. Tese de Livre Docência em Dermatologia. [acesso 2012-08-17]


  1. Ir para cima Fátima Pessanha Araújo. Estudo epidemiológico clínico comparativo: psoríase de início precoce e tardio. UFRJ 2007